terça-feira, 29 de março de 2011

Propaganda: Mestre é Mestre!

Mais uma propaganda hilária utilizando a cultura oriental como pano de fundo. É um exemplo de como se pode usar essa cultura milenar sem caricaturas e com respeito. Divirtam-se.


video

segunda-feira, 21 de março de 2011

Dia do Taoísmo - 2.582 anos do Nascimento de Laozi


 Sacerdotes taoístas em um gesto cerimonial durante a cerimônia memorial para Laozi (ou Lao-Tzu, Lao-Tsé 604-531 aC), em seu 2582º aniversário de nascimento, no Palácio Tianjing (ou Palácio da Paz Celestial), em Anhui, China, 19 de março de 2011. Laozi, mais conhecido como o autor do Tao Te Ching, é tradicionalmente considerado o fundador do Taoísmo. Acredita-se que esse palácio em Woyang esteja no local de nascimento de Laozi.


Um sacerdote taoísta enche o copo com bebida durante uma cerimônia memorial para Laozi 


Sacerdotes Taoístas presentes na cerimônia

segunda-feira, 14 de março de 2011

A Polêmica da Suástica



Mais uma polêmica sobre a combalida cruz gamada apareceu hoje na Folha Online: “Venda de moedas com marca nazista causa reações”. Tudo porque “descobriram” que o Mercado Livre  possuía moedas com a suástica sendo comercializadas. Isso ocorre há muitos anos, mas parece que alguém viu isso recentemente e não gostou. Tem todo direito de não gostar, mas daí a tentar impedir uma simples venda de material histórico, é outro problema. O caso está sendo levado à Delegacia Contra Intolerância e Crimes Raciais de São Paulo pela Federação Israelita de São Paulo.

Segundo a notícia, o vice-presidente da Federação Israelita de São Paulo, Ricardo Berkiensztat, disse que o departamento jurídico da entidade irá analisar o caso. "Vamos fazer uma consulta para ver, porque no Brasil a propaganda de símbolos nazistas é proibida, mas tem uma questão de acervo histórico." 

Essa observação está equivocada, pois a LEI Nº 7.716, de 5 de Janeiro de 1989, que instituiu os crimes de preconceito, é taxativa na proibição:

“Fabricar, comercializar, distribuir ou veicular símbolos, emblemas, ornamentos, distintivos ou propaganda que utilizem a cruz suástica ou gamada, para fins de divulgação do nazismo”.   

Como se pode ver, a cruz gamada só é proibida para fins de divulgação do nazismo. O que não ocorre na simples venda de material histórico. O nazismo existiu e deve ser estudado a fundo. Só a sua compreensão pode mostrar os mecanismos que permitiram sua existência e as ferramentas para impedir que isso se repita.

Nem deve ser vedada a exibição da cruz gamada dentro da esfera cultural do Oriente ou mesmo em sua conotação religiosa, como a imagem que postei aqui. Ou será que Buda era nazista?

Existe um indevido e perigoso patrulhamento ideológico contra a suástica. Isso incorre em dois erros graves:
1-     Por pior que seja a conotação da suástica no Ocidente, esse símbolo (que é diferente da suástica nazista) é milenar, utilizado pelo Hinduísmo e pelo Budismo.
2-     Tolerância religiosa vale para todos. Não se pode discriminar o Judaísmo e nem se pode discriminar o Hinduísmo e o Budismo. Se esse símbolo é utilizado por essas religiões, deve ser respeitado.

Vi especialistas argumentando que, como a conotação da cruz é ruim no Ocidente, não importa a sua existência milenar – deve ser abolido. Isso mostra uma clara falta de perspectiva histórica e a velha atitude eurocêntrica.

A arte marcial japonesa do Shorinji Kempo, baseado no budismo, tem como símbolo a suástica – mas só no Japão. Eles tiveram que alterar o simbolismo milenar para a arte se difundir no Ocidente. Isso é correto? Renunciar às suas raízes culturais por preconceito de meia dúzia? Acho que essa é uma questão que deva ser discutida pela sociedade. Até no programa “Big Brother” isso deu problema. No BBB10, quando o candidato Dourado (praticante de Shorinji Kempo) mostrou uma tatuagem de um samurai com a suástica na barra do hakamá , gerou enorme polêmica. Uma polêmica imbecil e desnecessária, pois simbolizava o Budismo.

A cultura oriental merece respeito.